O inevitável visto americano

procedimentos para tirar o visto americano

Tirar o visto americano não é barato. Que isso conste nos autos. A soma dólar alto mais esparsos consulados no Brasil para realização da entrevista dão um resultado muito doido no orçamento.

A taxa custa de 160 a 240 dólares dependendo da categoria (confira a categoria para visto americano aqui), e voos para São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro custam cerca de R$ 500 saindo de diversas capitais do país. (Já deu mil reais e, contando.)

Para iniciar o processo é preciso acessar o site da embaixada americana pagar a taxa e preencher o formulário online com todos os seus dados. São  solicitados dados pessoais e é bem rápido de preencher, o sistema permite que você tudo para que você possa preencher em várias etapas, usando um login e senha. Em alguns itens a resposta é óbvia “você está conectado a alguma organização criminosa?” e assim que você concluir todas as etapas é OBRIGATÓRIO IMPRIMIR a página de confirmação e LEVAR no dia da entrevista.

Depois, você recebe um email de confirmação direcionando para outro link, para agendar a fotografia no CASV e a entrevista no consulado. Aqui também tem um comprovante que DEVE SER IMPRESSO e apresentado no dia da entrevista. Em São Paulo, como não ficam no mesmo lugar, você precisa de dois dias para tal procedimento e eu aprendi algumas coisas. Como o CASV é tranquilo, pode entrar com equipamentos eletrônicos e é super rápido, vou me concentrar na entrevista.

comprovante impresso a ser levado ao consulado americano

PRIMEIRO.  Monte um dossiê da sua vida. Leve informações reunidas sobre investimentos financeiros, bens, comprovantes de endereço e emprego, declaração da empresa (RH, chefe), situação financeira. Tudo o que prove que você tem condições de ir, se divertir lá e voltar. Simples assim. Exemplo: cópia de holerites recentes, extrato bancário de todas as contas/poupanças/investimentos financeiros que tiver, cópia da carteira de trabalho, do contrato de trabalho ou de empresa própria, contratos de alugueis, escritura de imóveis próprios, documentos de veículos próprios. 

SEGUNDO. Hospede-se perto de um destes lugares (que  ficam em direções opostas) e poupe deslocamento. Eu acabei encontrando o Aero Hostel, que é um lugar bem caseiro e aconchegante perto de Congonhas, que fica bem no meio do caminho dos dois lugares (cerca de 20 min de Uber) e acredito que tenha sido a melhor estratégia para mim. Preço bom, com café da manhã, wifi, perto de tudo (ponto de ônibus, bares, restaurantes, padarias e o próprio aeroporto) e a 500 metros do aeroporto. Todas as vezes que precisar pernoitar em Congonhas, já sei onde vou encostar. Tudo limpinho e cheiroso e atendimento nota dez!

Com antecedência, você encontra diárias por R$ 42,50 em quartos compartilhados femininos ou masculinos com banheiro privado. Em uma região super gostosa e tranquila – nunca tinha circulado pela vizinhança de Congonhas – o hostel é um lugar para dormir, descansar e relaxar no sofá. Não é um hostel para festeiros.

Aero Hostel - São Paulo

Atrás do hostel, digamos que, a 700 metros de Congonhas, existe um restaurante delicioso e barato, algo que não se encontra dentro do aeroporto. Então, fica a dica, se tiver algumas horas para matar em Congonhas durante o dia ou noite – vá lanchar ou almoçar no Aero Lanches, que fica aberto a madrugada inteira. Prato comercial gigante por R$ 15 (serve duas pessoas), salgados dignos por R$ 4,50 e bebidas a preço normal. Até estranhei.

 

Se estiver com tempo, aproveite a vizinhança, com muitas opções de lazer e também super rola uma visitinha à praça em memória do acidente da TAM, que fica a uma distância a pé do hostel.

Memorial do acidente da TAM em Congonhas

TERCEIRO. O site da Embaixada Americana fala para não chegar muito cedo para a entrevista, mas eu cheguei 20 min antes e quase tive um treco quando vi aquela fila de Enem do lado de fora. Pensei, ferrou, vou chegar atrasada e perder a entrevista. Se isso acontecer contigo, poupe as rugas, pois o consulado encara o horário de agendamento como o horário limite que você precisa cruzar os portões, então, se lá dentro acabar atrasando tá tudo bem.

QUARTO. Vá somente com o dossiê, comprovantes de entrevista e foto do site e passaporte. Nada eletrônico entra, nem fone. Se ficar na dúvida se tal coisa poderá ou não, pense no Enem – fones, celulares, computadores, nada. Use os guarda-volumes em frente ao consulado (são vários!), e fique atento ao preço. Eu morri em R$ 30, mas encontrei lugares por R$ 5 a cada meia hora, o que está mais que justo – dentro do consulado levei uma hora.

Agora vamos aos modelos de declaração de trabalho, que eu tive a maior dificuldade em encontrar um. Precisa ser impresso em um papel timbrado da empresa.

____________

Juiz de Fora, Minas Gerais.  14 de junho de 2023.

DECLARAÇÃO DE TRABALHO

Eu, SEU CHEFE / responsável pelo RH, portador do RG 111111 e do CPF 22222, declaro para os devidos fins que FULANO DA SILVA, PROFISSÃO inscrito no CPF 333333 e portador do RG 44444 SSP/AC, residente no endereço Av. Alameda dos Anjos, 1, bairro Paraíso, é gerente de projetos na Empresa ZAX desde 1/1/2001 e gozará de férias no período de [INSERIR DATAS], sendo aguardado para o retorno das suas funções imediatamente após o prazo.

[espaço para assinatura e carimbo]

Nome Completo do Chefe

Função do chefe

Contato do chefe

____________

QUINTO. Dentro do consulado, siga as orientações à risca, elas funcionam bem. Apresente o passaporte a cada etapa (parece um videogame), vá para as filas designadas, siga as faixas coloridas no chão. Só avance a fila quando for chamado senão leva pito. Não entendeu a orientação, aguarde e pergunte. Nunca avance sem a orientação. De uma maneira geral, os funcionários são super educados, mas aconteceu uma situação que ilustra bem o que expliquei acima. Fiquei na fila [1] externa do Enem, e passado o portão apresentei o meu passaporte pela primeira vez e fui designada à fila [2] para avaliarem minha documentação, depois fui encaminhada para a fila [3] (!!) para então eu ir para a fila [4] de segurança. Lá você tira casaco, cinto, coloca todos os poucos pertences em uma bandeja e passa pelo sensor. Se apitar, você aguarda o cara pedir para você tirar o sapato ou passar o sensor no seu corpo, igual concurso, igual aeroporto.

Enquanto o segurança me atendia (eu insistia em apitar – por um instante lembrei do Wolverine e de todas as pessoas que tem metal no corpo, anyway) uma mulher avançou o sensor e tentou seguir adiante, nada demais, apenas seguindo o fluxo. E ele deu um ralo bem alto nela. Depois que ele percebeu que eu ia continuar apitando (acho que era meu sapato), ele liberou o resto da fila a seguir adiante.

Bom, depois disso, você passa pelo saguão e vai para a penúltima fila [5] (que é super rápida), onde pela enésima vez eles olham o seu passaporte e te liberam para ir para a **ÚLTIMA** e inevitável fila [6]: a da entrevista.

Ali você escuta o agente realizando as perguntas para os candidatos que estão à sua frente. Perguntas diretas e respostas diretas. Percebi que eles gostam de sentir firmes nas respostas, afinal se você tem certeza não tem porque titubear.

Por dentro eu estava suuuper nervosa e ficava tentando me acalmar, por fora, era a brisa encarnada. A agente foi super séria e, ao mesmo tempo, gentil, depois de poucas perguntas (fiquei com medo deles pedirem um passaporte antigo que comprovassem os lugares onde estive e eu não tinha trazido justamente ele) ouço a tão esperada frase automática “seu visto foi aprovado, seu passaporte será entrega no endereço cadastrado”.

Nenhum documento foi solicitado e me senti tão bem por estar preparada, porque eu tenho certeza que se não tivesse levado todos os documentos eu ia dar super bandeira e, acabaria me estrepando.

Enfim, passei! Ouço aleluias de Handel? YESSS!

Fim (:

OBS. depois de alguns comentários, acho que acrescentaria aqui – também é possível tirar o visto em Recife, em Brasília dá para fazer em um único dia os dois processos. Acredito que tirar o visto é mais que reunir documentos, é aproveitar o timing também. Fazia alguns anos que tinha a intenção de ter o visto, mas as condições não eram favoráveis e eu tinha muitas chances de não conseguir tirar. Então, se eu posso dar um conselho é: avalie se sua atual situação de vida dá segurança ao entrevistador que você tem condições de ir e voltar no tempo determinado.

Quem escreve 

Tradutora freelancer, assessora de imprensa e fã do ambiente digital. Viaja sozinha desde muito cedo e sempre quis saber onde cada trilha e estrada acabam.

Deixe uma resposta