Superbônus Santander – mudanças na política de resgate

Superbônus ferrando a vida viajante

Superbônus era um desses programas de milhagem do cartão de crédito. Era o motivo pelo qual eu usava cartão de crédito. Compras convertiam em pontos, pontos em milhas, milhas em passagens aéreas. \o/

A alegria durou enquanto eu podia transferir a partir de mil pontos para o Multiplus, e agora só a partir de 15 mil pontos. Resultado: nunca mais vou viajar na faixa. Quando junto 4 mil pontinhos, que dava um trecho nacional em promoção, agora a única maneira de usar é aproveitando para abater os custos do cartão, o que antes convertia em uma passagem, hoje converte em R$ 68.

Meus pontos desvalorizaram na velocidade do Real. ”/

Superbônus Santander - mudanças no resgate

Inicialmente, não entendi bem a estratégia do banco, pois se antes quem gastava muito, recebia muitos pontos, a pessoa viajava mais, consumia mais no destino turístico e continuaria comprando e gerando milhas infinitamente.

Agora, tudo bem que eu não sou exatamente o público-alvo do cartão de crédito, mas eu só comprava passagem lá porque ela se converteria, automaticamente, em outra passagem. O que essa estratégia fez foi reduzir ainda mais o meu consumo a prazo.

Mas pensando bem, penso que talvez o índice de inadimplência do cartão esteja tão alto no Brasil que os bancos mudaram a política de pontos para incentivar a galera a sair do vermelho. Enquanto o cara usa o cartão, ele consegue reduzir o valor da fatura no próximo mês, e quem sabe sair do crédito rotativo, que é a maior furada. É meio tenso pensar assim, pois se for esse o motivo, o brasileiro que já não viaja muito, vai investir cada vez menos em descanso e lazer e mais em pagar as contas.

Se por uma lado essa crise vai esfolar quem está endividado, vai gerar – espero – uma geração menos preocupada com status, pois não dá para tomar coca-cola todo dia se a vontade é viajar nas férias. A assinatura da TV a cabo vai competir com a poupança para aqueles 15 dias offline.

Há duas maneiras de conseguir o suficiente. Uma delas é acumular cada vez mais. A outra é desejar cada vez menos.
– G.K. Chesterton

Nesse contexto, eu acumulava para conseguir o suficiente e, como não vou desejar viajar menos, o negócio vai ser adaptar de novo. Esses pontos a menos no meu cartão de crédito me ensinaram que eu vou precisar ajustar muito o orçamento, fazer muitas concessões se pretender continuar viajando nos próximos anos, pois a crise não vai embora tão cedo.

#refletindo

Quem escreve 

Tradutora freelancer, assessora de imprensa e fã do ambiente digital. Viaja sozinha desde muito cedo e sempre quis saber onde cada trilha e estrada acabam.

3 Replies to “Superbônus Santander – mudanças na política de resgate”

  1. A tristeza de nossos dias. Me parece que em cada vez mais a máxima de “fazer mais com menos” está entrando na vida das pessoas e não é mais exclusiva do mundo corporativo – não que as pessoas tenham alguma opção. Divago.

    1. Já é uma verdade, não que seja fácil ou uma opção. 🙁

  2. […] tanto tempo naquele mindset. O preço das tralhas não acompanhava o valor dos salários e a inflação bate à porta todos os dias. Para continuar viajando eu preciso fazer escolhas: preferir destralhar a […]

Deixe uma resposta